Dor no joelho: o que pode ser?
dor no joelho

A dor no joelho é uma condição relativamente comum e que pode surgir em indivíduos de todos os gêneros, faixas etárias e portes físicos. Na grande maioria dos casos, ela ocorre por conta de sobrepeso, desgaste articular da região ou lesões provocadas por atividades físicas (como em longas corridas, partidas de vôlei ou jogos de futebol).

O problema acontece quando a dor no joelho é tão forte que começa a atrapalhar a rotina do indivíduo, quando ações tão básicas como andar já não conseguem mais ser feitas sem que o incômodo da dor seja percebido. Em situações como essa, é necessário prestar maior atenção ao que pode estar acontecendo.

Os casos mais graves de dores no joelho estão atrelados a situações como a osteoartrite, o rompimento de ligamentos ou cisto de Baker – todas condições que podem ser comprovadas por meio de exames, como tomografias computadorizadas ou raio-X.

Vamos ver, de maneira um pouco mais detalhada, quais são as principais causas para dor no joelho.

1. Inchaço depois de contusões

Em meio à prática esportiva, entorses e contusões são relativamente comuns. Porém, em alguns casos, elas podem levar ao rompimento interno de estruturas do joelho, como cartilagens, bursas, tendões, ligamentos ou o menisco.

Inchaços repentinos após lesões esportivas podem estar diretamente relacionados com a ruptura de tais estruturas – motivo pelo qual a investigação da dor do joelho não deve ser levada levianamente e deve ocorrer o mais rápido possível.

2. Bursite

As bursas, ou bolsas sinoviais, são bolsas com líquidos que diminuem o atrito entre os tendões, músculos e pele. Existem centenas delas pelo corpo, e quando inflamadas,  podem causar dor ou inchaço.

3. Cisto de Baker

O cisto de Baker consiste em uma bolsa com acúmulo de líquidos localizada na parte da posterior do joelho. Geralmente a condição é atrelada a outras lesões e seus principais sintomas são rigidez e dor nos joelhos.

4. Síndrome da banda iliotibial

Ficou com dor no joelho depois de uma longa corrida ou passeio de bicicleta? As chances de ser uma síndrome da banda iliotibial são grandes. Ela promove o inchaço e dor no joelho e pode ser facilmente tratada com alongamentos antes de exercícios e medicamentos anti-inflamatórios.

5. Condromalácia patelar

Se a dor no joelho é mais comum na parte da frente, esse pode ser um sinal de condromalácia patelar. A condição está diretamente relacionada com a fraqueza do quadríceps, ou seja, músculos localizados na frente da coxa. É caracterizada por dor ao subir escadas, levantar da cadeira, flexionar o joelho, e correr. Seu tratamento, geralmente, não é cirúrgico, e pode ser resolvido através de medicação e boa fisioterapia.

As causas para dores de joelho não param por aí. Artrite, distúrbios do tecido que reveste o joelho, infecções/inflamações, “retorno” de lesões antigas, tendinites e rompimentos de estruturas internas, em geral, também podem ser causas para este grande incômodo.

Tratamento

Como dito anteriormente, a dor no joelho pode vir de vários lugares do corpo, como também de algumas situações externas em que envolvemos o nosso corpo, como a prática de exercícios físicos. Sendo assim, quando a dor no joelho aparece é um sinal de alerta que precisa ser avaliado com carinho, pois uma vez não tratada corretamente pode trazer complicações futuras como: artrose, ruptura do menisco e etc.

A fisioterapia esportiva e a osteopatia são excelentes ferramentas para tratar as dores no joelho, principalmente aquelas que não são detectadas nos exames complementares.

A osteopatia é um método de avaliação, diagnóstico e tratamento utilizando técnicas manuais e naturais para trazer a harmonia do corpo. Assim, podemos analisar e corrigir alguns bloqueios corporais (sejam articulares, viscerais, cranianos, posturais ou outros) que estejam causando essa dor no joelho. A fisioterapia esportiva avalia o gesto motor e quais mecanismos biomecânicos não estão funcionando adequadamente levando a um desequilíbrio articular e podendo causar a dor no joelho. O tratamento demanda uma série de exercícios específicos de propriocepção, equilíbrio, fortalecimento, alongamento, flexibilidade e estabilização, entre muitos outros, sempre direcionado especificamente para cada paciente.      

Por isso, a nossa recomendação você já deve imaginar: não menospreze os sinais que o seu corpo dá. Procure um profissional de saúde qualificado para lhe dar um diagnóstico completo. Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como fisioterapeuta esportivo e osteopata em São Paulo.