Osteopatia para gestantes e crianças

Importância da osteopatia para gestantes e crianças

Lidar com a gravidez nem sempre é uma tarefa fácil. Embora seja uma época inesquecível para inúmeras mulheres, o momento também pode vir acompanhado de dores, inchaços e alterações nos sistemas do corpo. Nesse cenário, a  osteopatia é altamente indicada para uma gestação tranquila.

Você sabia que esse tipo de terapia é, inclusive, a principal indicação da OMS para as grávidas? Isso porque o acompanhamento reduz consideravelmente os impactos e contratempos comuns durante o período da gravidez.

Para as crianças, a terapia também é igualmente indicada, pois ela atua nos sintomas ligados aos maus hábitos posturais. Entre eles, estão dor nas costas e nas pernas, dormência e formigamento dos membros, barriga acentuada e dor de cabeça. Esses são apenas alguns dos incômodos que afetam cada vez mais os pequenos.

Osteopatia e gravidez: como a terapia age na mulher?

A principal reclamação da gestante é a dor. No caso da osteopatia, ela não vai atenuar a dor e, sim, eliminá-la. Em princípio parece ser algo improvável, mas o tratamento é focado nos pontos onde a incidência de dor é evidente e com intensidade maior. Não se trata de massagens, mas de toques que dão maior sustentação ao corpo e mais resistência contra esses incômodos.

Devido à sensibilidade mais aflorada nas gestantes, os toques terapêuticos devem ser suaves. Todo o processo age contra possíveis inflamações, inchaços, dores e qualquer alteração na área central de gravidade do corpo durante a gravidez, justamente pelo crescimento da barriga.

7 beneficios da osteopatia na gravidez

Durante a consulta, o osteopata ouve e verifica a principal queixa da gestante. Em seguida, ele analisa o corpo em busca dos locais que originam os problemas relatados. Então, a partir desse estudo, tendo como base as queixas e o histórico, o profissional manipula pontos do corpo com o intuito de deixá-lo totalmente em equilíbrio. 

Conheça 7 benefícios que a técnica entrega paras as mulheres que estão passando pelo período de gestação. 

Pensar no paciente e não na doença

No caso da gravidez, esse benefício da terapia é um dos mais expressivos, uma vez que a gestação, de fato, não é e não pode ser tratada como uma patologia. Portanto, a osteopatia na gravidez se concentra em restaurar o funcionamento normal do corpo, sem ignorar as particularidades desta fase.

Corpo todo, um ritmo só

O organismo da mulher grávida possui necessidades e particularidades bem específicas. Diante disso, seu físico evolui, mas nem sempre os órgãos estão preparados para acompanhar essas alterações, o que leva às dores e incômodos.

A osteopatia na gravidez atua de modo a incluir todo o corpo em apenas um ritmo, o que possibilita mais bem-estar e menos dores.

Pode ser realizada desde o início da gestação

Recomenda-se que a osteopatia na gravidez se torne uma aliada a partir do 3º mês, que é quando as dores começam a aparecer de forma mais expressiva.

Não há contraindicações

Não há nenhum tipo de contraindicação para a realização, principalmente porque a terapia não é invasiva e não prescreve medicamentos. Porém, é sempre recomendada a autorização do obstetra responsável pelo acompanhamento do pré-natal.

A técnica manipula, mas não massageia

O osteopata não faz massagem, mas sim manipula certos pontos do corpo, de modo a aliviar a dor. Em mulheres grávidas, os toques são muito suaves.

A osteopatia previne

Além de diminuir incômodos e dores, a técnica também prevê riscos de novas inflamações ou dores, tratando-as previamente. Conforme o osteopata, as “pistas” estão na postura e na movimentação da mulher.

Relaxa o bebê

Com o relaxamento da mãe, os sistemas em equilíbrio e circulação em dia, o bebê também fica relaxado e se desenvolve melhor. Ainda, a terapia também prepara a mulher para o parto normal.

Benefícios do pilates durante a gravidez

Durante a gestação, a prática de exercícios físicos leves e com pouco impacto é muito recomendada para garantir a saúde da mamãe e do bebê. Atualmente, muitas mulheres estão optando por praticar pilates durante a gravidez com o objetivo de amenizar as dores e desconfortos causados durante esse período.

Grande parte dos exercícios que compõem a prática do pilates pode ser realizada pelas mulheres grávidas. Porém, algumas posições não são recomendadas para gestantes, pois podem gerar algum tipo de desconforto durante a prática da atividade.

Por isso, antes de iniciar o pilates na gravidez, é importante que o profissional responsável pela orientação das atividades crie um guia de exercícios especial para a gestante. Nesse guia, os exercícios serão pensados levando em conta as diferentes mudanças corporais que acontecem durante os três trimestres de gestação.

Os benefícios da Osteopatia para as crianças

A osteopatia também pode trazer diversos benefícios para as crianças. Ela pode atuar em alguns problemas que causam grandes incômodos, como as terríveis cólicas que acometem nos bebês, por exemplo. 

A técnica uda um bebê com cólica com uma metodologia natural e não invasiva. Apenas com as mãos, o fisioterapeuta osteopata aplica manobras similares a uma massagem, porém, em pontos específicos para encontrar a raiz do problema e tratá-lo. Por isso, o tratamento vai muito além da cólica do bebê, que é um sintoma, e mira em devolver a harmonia corporal.

Outro problema que a osteopatia auxilia a tratar e que apresenta em muitas crianças é o refluxo. tratamento osteopático atua na contramão da medicina tradicional. Ao invés de curar os sintomas, a metodologia investiga e trata a origem do problema. Assim, o resultado desse cuidado é a extinção da doença e de suas consequências.

Outro diferencial importante é que a osteopatia  em muitos casos ajuda sem a intervenção de medicamentos ou cirurgia. Utilizando apenas a técnica manual, a terapia executa manobras específicas nos pontos onde se encontra a raiz da questão. Em geral, as causas do refluxo incluem tensão no abdômen, na região craniana ou do pescoço.

Benefícios da posturologia para as crianças

A posturologia para crianças trata sintomas ligados aos maus hábitos posturais. Um estudo realizado pela UNOESTE (Universidade do Oeste Paulista) mostrou que a cadeira e a mochila são os principais causadores da má postura em crianças de 8 a 11 anos.

Além disso, estima-se que 70% dos jovens entre 5 e 14 anos de idade têm ou terão alguma alteração postural. São vários os fatores causadores de tais alterações, como: permanecer muito tempo sentado (na escola, assistindo TV, jogando videogames e usando o celular), sedentarismo, má nutrição e peso excessivo nas mochilas.

Nesse sentido, a posturologia auxilia no tratamento de sintomas ligados aos maus hábitos posturais. Agindo assim de forma preventiva para que as dores não evolua para problemas mais graves. 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como osteopata em São Paulo.

Comentários

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp